sábado, 27 de maio de 2017

Governo de SP promete três novas estações na Linha 5 do Metrô até agosto

22/05/2017 - Jovem Pan

Governo do Estado promete entregar três novas estações da Linha 5-Lilás do Metrô até o mês de agosto. 

O cronograma prevê a inauguração das estações Alto da Boa Vista, Borba Gato e Brooklin entre julho e agosto. 

Até o fim do ano, mais seis deverão ser finalizadas, fazendo com que o ramal tenha ligações com as linhas 1-Azul e 3-Verde.Neste sábado (20), foi realizada a primeira viagem experimental entre Adolfo Pinheiro e Brooklin. 

O secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, explicou que a Linha Lilás será concedida para a iniciativa privada para que não seja necessário aumentar o subsídio do governo. 

“Nessa linha, hoje a nossa proposta é pagar R$ 1,73 por passageiro transportado. R$ 3,80, hoje a pessoa não anda só em uma linha, anda em duas. Hoje o governo já subsidia o transporte coletivo através das gratuidades e aportes na CPTM. O que a gente quer é não aumentar esse subsídio existente”, disse. 

Nesta segunda-feira (22), será implantado na Linha-5 Lilás o controle automático de trens conhecido como CBTC. 

Com o novo sistema, o Metrô espera reduzir os intervalos entre as composições com mais velocidade operacional e menor consumo de energia. 


domingo, 21 de maio de 2017

Anunciados como novos, trens parados desde 2013 entram em operação na Linha 5-Lilás

20/03/2017 - Rede Brasil Atual

Mas outras 20 composições vão continuar sem uso. Elas foram compradas por R$ 630 milhões pelo governo paulista, em 2012, em operação investigada pelo MP

por Rodrigo Gomes

trem
A composição P16, utilizada ontem para anúncio da operação dos trens, pelo governador Alckmin

São Paulo – Depois de quase quatro anos parados, seis dos 26 trens novos que estavam sem uso na Linha 5-Lilás (Capão Redondo-Adolfo Pinheiro) do Metrô paulistano foram liberados para circulação na manhã de domingo (19), pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB). Inicialmente, vão operar somente aos domingos, ainda em fase de testes. Conforme a RBA denunciou, no ano passado esses trens estavam estacionados ao longo do trecho de circulação, no pátio Capão Redondo e na sede da fábrica da CAF, em Hortolândia, interior de São Paulo. As composições foram compradas por R$ 630 milhões, em 2012 e estão paradas desde que foram entregues, em 2013.

Alckmin não deu prazo para que os outros 20 trens sejam colocados em operação. O trem utilizado pelo governador para fazer o anúncio, no domingo, é o mesmo trem que a RBA flagrou sem utilização no ano passado, estacionado ao longo do trajeto da Linha 5 – composição P16. 

Segundo Alckmin, a expectativa é de estender a operação dos novos trens para os sábados, a partir de abril. A operação plena, em todos os dias da semana, está prevista somente para maio. “Hoje é um grande dia”, declarou. “Os novos equipamentos, que têm ar condicionado, vagões contínuos e câmeras de vídeo, trazem mais conforto para os passageiros e reduzem a distância entre um trem e outro, incrementando a velocidade operacional”, completou. 

O motivo principal para os trens terem ficado tanto tempo parados era o sistema de operação. A via opera com o sistema ATC (Controle Automático de Trens, na sigla em inglês) e os trens novos foram adquiridos com sistema CBTC (Controle de Trens Baseado em Comunicação, também do inglês). Além disso, como o trecho em operação era relativamente pequeno, com 9,6 quilômetros, não havia espaço para inserir as composições. Até ontem, a linha operava somente com oito trens da frota F, adquiridos em 2001. O motivo de o governo Alckmin ter adquirido os 26 trens sem ter como utilizá-los é objeto de investigação do Ministério Público Estadual, desde 2015.

O trem P16, flagrado no ano passado, abandonado no trajeto da Linha 5-Lilás

O Sindicato dos Metroviários várias vezes manifestou preocupação com a manutenção desses trens sem uso. As composições vinham sofrendo oxidação e desgaste na parte externa, devido à exposição às intempéries. Além disso, componentes sem uso se degradam, levando à possibilidade de os trens apresentarem falhas quando começarem a ser colocados para circular. Outra preocupação dos trabalhadores é que a garantia das composições era de quatro anos, mesmo tempo em que os trens ficaram sem uso.

Sem dar mais detalhes, o governo Alckmin informou que a Linha 5-Lilás vai operar com CBTC. O sistema é o mesmo utilizado nas linhas 4-Amarela (Luz-Butantã), 15-Prata (Vila Prudente-Oratório), onde no ano passado um trem deixou a estação, em via elevada, com as portas abertas, e 2-Verde (Vila Prudente-Vila Madalena), que sofreu 74 panes graves, em apenas dez meses de operação com esse sistema.

Alckmin também prometeu entregar ainda este ano 10 das 11 estações que faltam à Linha 5. Com isso o trajeto vai passar dos atuais 9,6 quilômetros para 20,8 quilômetros de extensão, ligando a região de Santo Amaro à Chácara Klabin, na região Sudeste da cidade, em conexão com a Linha 2-Verde. A última estação – Moema, no meio do ramal – está prevista para 2018, após 20 anos do início das obras. Com a linha concluída, a expectativa é de transportar 780 mil pessoas diariamente.

Em julho do ano passado, o governador Geraldo Alckmin anunciou a intenção de privatizar tanto o trecho em operação quanto o trecho em obras da Linha 5-Lilás. A expansão do trecho começou orçada em R$ 6,9 bilhões e atualmente tem previsão de custo de R$ 9,1 bilhões. Este aumento está sendo investigado pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. 

A Linha 5-Lilás começou a ser construída em 1998, quando era a Linha F da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O trecho em operação, entre Capão Redondo e Largo Treze, funciona desde 2002. Porém, a construção ficou parada até 2009 e, desde então, somente a estação Adolfo Pinheiro foi entregue. A Linha 5 está nos planos de privatização do governo Alckmin. Porém, o valor estimado é cerca de 1% do investido na construção.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Sem alarde, CBTC começará a operar na Linha 5 durante dias úteis

09/05/2017 - Metrô CPTM

Ainda de forma experimental, o sistema CBTC passará a funcionar também nos dias úteis na Linha 5-Lilás neste mês, conforme informação obtida pelo blog. Os trens da nova Frota P, que só usam o novo sistema de controle, passarão a realizar seu maior teste prático ao assumir o transporte dos passageiros durante os horários de maior demanda.

Apesar disso, não será algo definitivo ainda. A razão seria a falta de quilometragem do CBTC, que pode motivar a volta do sistema ATO e dos trens da Frota F caso surja algum imprevisto ou necessidade de um aprimoramento no software de controle, por exemplo.

Segundo apurou o blog, a viagem teste com o governador Geraldo Alckmin, que ocorreria nesta quarta-feira (10) foi postergada. Com o início da operação da Frota F durante os dias de semana e a energização do trecho entre Adolfo Pinheiro e Brooklin, havia a previsão de um evento oficial, mas que agora está sem previsão de ocorrer.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Sem projeto executivo, metrô de Taboão não tem previsão para iniciar obras

02/05/2017 - O Taboanense

Durante a inauguração do restaurante Bom Prato em Taboão da Serra na manhã desta terça-feira, dia 2, o governador Geraldo Alckmin anunciou que até o início de 2019 quatro novas estações do metrô Linha 4-Amarela serão entregues à população. Prometido para 2016, os taboanenses vão continuar aguardando o metrô, a estação Largo do Taboão ainda não tem previsão para, sequer, iniciar as obras.   
Alckmin ainda vai autorizar o projeto executivo da estação Largo do Taboão, com isso o metrô não ficará pronto antes de 2020. “O metrô de Taboão ainda não está contratado, só tem o projeto básico, mas nós vamos mandar fazer o projeto executivo [...] Nós não faremos no nosso mandato, mas vamos deixar a estação do lado Vila Sônia praticamente pronta”, declarou.

Carol Teresa / Fotos Públicas / Metrô de São Paulo
Governador Geraldo Alckmin ainda vai autorizar o projeto executivo da estação Largo do Taboão | Carol Teresa / Fotos Públicas / Metrô de São Paulo
Governador Geraldo Alckmin ainda vai autorizar o projeto executivo da estação Largo do Taboão

De acordo com o governador, as próximas estações a serem inauguradas são Higienópolis/Mackenzie, Oscar Freire, São Paulo/Morumbi e Vila Sônia, que terá um terminal rodoviário, além do pátio de instalação. “A ordem é, este ano Higienópolis/Mackenzie, começo do ano [2018] Oscar Freire, fim do ano, São Paulo/Morumbi, ainda no fim do ano, ou comecinho do outro [2019], a estação Vila Sônia”, disse Alckmin.

Atrasos. Durante uma visita ao município de Taboão da Serra, em 2011, o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), informou que o metrô chegaria à cidade até o final de 2014, o que não aconteceu.  Já em 2012, durante uma nova visita,  Alckmin mudou o prazo para até o final de 2016. “Em 2016 a gente consegue chegar em Taboão da Serra. Eu vou iniciar a obra, se Deus quiser, no meu mandato”, declarou durante a visita.

Questionado sobre o não cumprimento do novo prazo, final de 2016, o governador se limitou a responder "impossível ter ficado pronta em 2016, não há nem projeto executivo".

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Obras de expansão da linha 2 dependem de outra linha

30/03/2017 - Via Trólebus

A extensão da linha 2 – Verde, que partirá da Vila Prudente até as mediações da Rodovia Presidente Dutra, em Guarulhos, deve ter que esperar um mais pouco para sair do papel. Pelo menos até 2018.

De acordo com o diretor de operações do Metrô, Milton Gioia, em reunião com o Via Trolebus em outros blogs na última terça, 28, o Governo do Estado só irá focar nesta expansão quando as obras da linha 5 – lilás estiverem concluídas, o que deve acontecer ano que vem, com a conclusão da estação campo Belo. As demais serão entregues este ano.

Com a finalização desta obra, os recursos do orçamento não irão mais ser gastos na Linha 5 e serão gastos prioritariamente na Linha 2.

Em 2014, o Governo do Estado finalizou a licitação e assinou contratos com as construtoras para tocarem a obra da linha 2, mas, devido à crise, os planos tiveram que ser adiados e todo ano, desde então o governador Geraldo Alckmin determina o congelamento destas obras por 1 ano.

A expansão da linha 2 terá 12,5k com 12 estações e mais um pátio para manutenção de trens

sexta-feira, 10 de março de 2017

CCR fecha compra de fatia da Odebrecht na ViaQuatro

10/03/2017 - Estadão

O grupo de concessões CCR anunciou ontem que assinou contrato para adquirir a totalidade da participação da Odebrecht Transport Participações (OTP) na ViaQuatro, fatia que é correspondente a 15% do capital social da empresa. O valor total da aquisição é de R$ 171,143 milhões, a ser atualizado.

A ViaQuatro é a concessionária responsável pela exploração dos serviços de transporte de passageiros da Linha 4 - Amarela do Metrô de São Paulo e tem como acionistas a CCR, que atualmente detém 60% do seu capital social; a OTP, detentora de 15%, a Ruas Invest Participações, com 15%; e Mitsui & Co., com 10%. Em 30 de junho de 2016, a CCR já havia comunicado que havia feito a proposta vinculante.

ViaRio. A empresa informou ainda que celebrou ontem aditivo ao contrato para aquisição da participação da Odebrecht Rodovias (ODBR) na ViaRio, correspondente a 33,33%, pelo qual foi renegociado certos termos, incluindo a alteração do valor para R$ 61,526 milhões, in- cluindo a cessão de mútuos detidos pela ODBR, como credora, perante a ViaRio, e também a quitação de certas obrigações da ODBR perante a CCR.

Em junho passado, a empresa havia anunciado o valor de R$ 107,690 milhões, por 33,33% da ViaRio.

A ViaRio é a concessionária responsável, pelo prazo de 35 anos, pelos serviços de implantação, operação, manutenção, monitoramento, conservação e realização de melhorias da Ligação Transolímpica, via expressa com 13 quilômetros de extensão, ligando o bairro de Deodoro à Barra da Tijuca, na cidade do Rio de Janeiro.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Duas semanas depois, Metrô de SP tem novo descarrilamento de trem

21/02/2017 - Folha de São Paulo

Duas semanas depois de um descarrilamento na linha 3-vermelha, o Metrô paulista teve o mesmo problema, agora, na linha 5-lilás (Capão Redondo e Adolfo Pinheiro).

O descarrilamento da linha 5-lilás aconteceu por volta das 4h50 desta terça-feira (21) entre as estações Largo 13 e Adolfo Pinheiros, na zona sul da cidade.

O Metrô informou que havia poucos passageiros no momento do acidente e que ninguém se feriu. Os passageiros desembarcaram e retornaram às plataformas. Com isso, a circulação de trens está interrompida no trecho e não há previsão de quando o sistema será normalizado.

Segundo o Metrô, as causas do acidente ainda serão apuradas e que técnicos estão no local para desobstruir os trilhos. Para evitar tumulto, o Metrô fechou a estação Adolfo Pinheiros e acionou o Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência).

A SPTrans (empresa responsável pelo transporte público municipal) informou que cinco ônibus articulados foram disponibilizados desde as 5h20 para fazer o trajeto entre a Adolfo Pinheiros e o Largo 13.

Na estação Adolfo Pinheiros, o Metrô colocou um aviso de que a circulação estava paralisada. Os trens da linha 5-lilás circulam com velocidade reduzida e maior tempo de paradas nas estações.

Em agosto de 2013, um trem descarrilou perto da estação Palmeiras-Barra Funda, na zona este da cidade. O trem envolvido no acidente era da da frota K, a mesma do acidente desta terça. São composições com mais de 30 anos e que passaram por reformas de modernização para continuar circulando